Rick Sollo, Lucas Lucco e a Nova Inquisição da mídia

inquisicaoNão é de hoje que boa parte da mídia (infelizmente) é tendenciosa e covarde, além de agir por interesses diversos, atrás de cliques (como dizia o blogueiro de uma novela) ou mesmo de convites para DVDs e festinhas pagas. É óbvio que falo de uma fatia de “profissionais” que não valem absolutamente nada. A maioria trabalha com a apuração dos fatos e não apenas com o que dizem os fofoqueiros de plantão.

Nos últimos dias, dois fatos chamaram a atenção, pois foram amplamente divulgados em jornais, sites e blogs. O primeiro foi a ausência de Lucas Lucco na gravação de um DVD em Curitiba (PR), no dia 12. Apesar da aparente gravidade da situação, não vi nenhum tipo de “crucificação” pública do jovem cantor/ator. Nem mesmo percebi uma tentativa de induzir o leitor a tal sentimento por parte de quem escreveu as diversas notas. Muitas delas já vinham com a nota divulgada pelo próprio Lucas se dizendo vítima de “síndromes”, segundo suas palavras. Das repetitivas matérias que li, ninguém questionou seus argumentos, nem tampouco colocou algum sinal de algo contraditório em suas palavras. Resultado: Inocente.

Já com Rick, num segundo episódio, a crítica foi bem mais pesada. No dia seguinte à ausência de Lucco na Arena da Baixada, bem longe dali Rick deixava o palco de uma casa de shows, sem se apresentar. O local era Guajará-Mirim, município de Rondônia. Procurei alguns veículos de internet e bingo: tudo muito igual, um festival de Control-C + Control-V. As notas relatavam um prejuízo enorme do contratante e uma suposta negativa do sertanejo em subir ao palco, mesmo tendo recebido o seu cachê. Pronto: sem juiz, advogado de defesa ou jurados, Rick Sollo foi condenado e sentenciado pelo(s) redator(es). O povo, claro, foi unânime: Culpado.

Agora o cantor colhe os prejuízos e vem a público, mais uma vez usando as redes, mostrar a sua verdade. Segundo o contratante que o levou a Rondônia (para várias apresentações em sequência) aquela casa não tinha condições técnicas para um show, nem tampouco Rick viu a cor do dinheiro. Antes tarde do que nunca, dizia o ditado.

Mesmo com o estrago já foi feito, é importante evitar que episódios como este voltem a acontecer. Quem escreve o que quer, pode ser responsabilizado pelos danos causados. Não tenho ligação profissional alguma com o cantor, apenas o conheço de várias jornadas. Não combina com o seu caráter acusações como as que foram feitas.

O Control-C + Control-V (copiar + colar) têm sido um dos piores instrumentos usados por alguns tristes blogueiros espalhados pelo mais triste ainda país. E o desejo de audiência a qualquer preço e pré-julgamentos e sentenças antecipadas já vem de longe, causando várias equívocos gravíssimos, vide caso da Escola Base há duas décadas. Séculos depois da Santa Inquisição e suas barbáries, temos agora a Nova Inquisição: a mídia.

17/12/2015

Carlos Guerra / Porteira Brasil

 

 

Tagged with:    

Sobre o autor /


Veja também

Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Porteira Brasil Comunicação

Assessoria de comunicação especializada no meio artístico, a Porteira Brasil Comunicação também é responsável por um dos sites de notícias e matérias diárias sobre o mundo sertanejo mais conhecidos do mercado.

CONTATO:

carlos.guerra@porteirabrasil.com.br

SUGESTÂO DE PAUTA:

pauta2@porteirabrasil.com.br